Release

Café da Colônia prepara sua primeira Festa Junina

O mês de junho bate à porta e com ele começam as tradicionais festas juninas. O Café da Colônia, empreendimento erguido em um sítio de Uchôa (SP) que oferece as experiências do turismo rural, da culinária e uma boa conversa à beira do fogão à lenha, não poderia ficar de fora. Voltada para quem aprecia uma verdadeira e típica festa junina no campo, a 1ª Festa Junina do Café da Colônia acontece no dia 22 de junho a partir das 15h no sítio Santa Rosa. “Queremos fazer uma festa bem rural, com todas as comidas típicas,  brincadeiras, tudo em um ambiente agradável e em um contexto que já não existe mais nas grandes cidades”, afirma Claudia Baffi Pellicciottta, responsável pelo Café.

Na festa o visitante será recebido na porteira com sanfoneiros e ainda terá a oportunidade de apreciar uma autêntica quadrilha  e a famosa música de viola dos Irmãos Binatti ao lado da fogueira. À noite será realizado o 7º Terço de São João, cantado por moradores da comunidade.

Como o evento acontece em plena Copa do Mundo no Brasil, o Café montou uma ação especial para mostrar a tradição rural para turistas estrangeiros e brasileiros. O sítio vai oferecer no dia da festa junina o evento “Festa Junina do Café da Colônia – Aprendendo a fazer quitutes rurais Paulistas”, uma oficina culinária em parceria com a ABRATURR SP e Câmara Setorial de Turismo Rural Paulista que já entrou no calendário oficial da Associação Paulista de Turismo Rural. Os participantes farão uma aula especial para aprender a produzir biscoito de pinga, pastel caipira e bolo de milho entre outros, ao custo de R$ 30.

Durante a festa junina haverá também barracas de doces, salgados e brincadeiras. “Trata-se de uma festa familiar, onde poderemos mostrar aquele clima de festa típico de comunidades rurais. Não queremos deixar esse espírito desaparecer. Nosso slogan, Turismo Rural Moderno Profissional e sem perder a ruralidade, dá uma ideia de nosso propósito”, explica Claudia. Os ingressos serão agasalhos para o primeiro lote, R$ 10 pelo segundo e R$ 15 na portaria.

O Café

O Café da Colônia é um espaço turístico voltado àqueles que apreciam o clima rural. Com agendamento é servido, aos domingos, um bom “café com leite” com uma variedade de delícias caseiras como pães, bolos, tortas, biscoitos, doces, geleias, manteiga, embutidos e queijos.

O lugar também oferece um espaço dedicado à gastronomia: fogão a lenha, panelas de barro, e colheres de pau ajudam o visitante a compartilhar receitas, degustar e aprender a fazer delícias – ou comemorar um momento especial com os amigos. O Café da Colônia também oferece um espaço para eventos, para cursos e para recepcionar grupos de turistas e  funciona com reservas.

O turismo rural é outra aposta de Claudia. Dividido em “Leite da Manhã” e “Leite da Tarde”, o passeio mostra aos visitantes o cotidiano da propriedade, desde o processo criatório do gado Jersey até a produção artesanal de seus produtos – doce de leite, queijos, geleias de frutas – incluindo uma vivência no processamento de alguma matéria-prima da estação. Além do Café, o passeio inclui uma trilha pelo pomar e pelo riacho visitando as criações. “Passear pelo pomar, ouvir histórias, aprender a fazer uma delícia, experimentar os queijos, doces, geleias, pães, conversar, resgatar e compartilhar conosco as memórias, costumes e histórias de nossos visitantes é a nossa proposta”, finaliza Claudia.

 

Turismo rural ganha opção ‘deliciosa’ no interior

Quem diria: um país como o nosso, bastante rural algumas gerações atrás, hoje se industrializou e a vivência da roça tornou-se, para muitos, histórias da vovó. Pois em Uchôa (SP) uma novidade promete resgatar essas tradições e aproximar ainda mais quem se acostumou à vida na cidade com os prazeres do campo. Trata-se do Café da Colônia, empreendimento erguido em um sítio e que oferece as experiências que dizem respeito à terra: turismo rural, culinária e uma boa conversa à beira do fogão à lenha. “Troquei a loucura de uma cidade como São Paulo pela tranquilidade e os desafios de um sítio no interior que precisava ser mais produtivo. Posso dizer, hoje, que fiz uma ótima escolha”, afirma Claudia Baffi Pellicciottta, idealizadora do projeto.

O sonho de Claudia, um projeto de turismo para a propriedade da família, é antigo. Começou após um curso, em 1994, de administração hoteleira no Senac/SP. Doze anos depois vivendo em São Paulo, trabalhando com eventos e vivenciando todas as experiências que uma megalópole pode proporcionar, Claudia decidiu que era hora de encarar seu sonho de frente: voltou para Uchôa e resolveu dar um novo sentido ao sítio. “Em 2006 voltei à minha terra-natal quando então, tendo oportunidade de reformar a sede histórica de 1914, apostei na produção pecuária. A propriedade precisava ser produtiva novamente”, explica. Em 2010, depois de muito trabalho, ela foi sede do ProLeite, Programa Pecuária Leiteira elaborado pelo SENAR/SP com o objetivo de capacitar os produtores rurais, e Claudia tornou-se produtora de leite. “No ano seguinte recebemos o Turismo Rural e o Turismo Pedagógico, ambos cursos oferecidos pela Faesp/Senar, através do Sindicato Rural de Uchoa”, diz.

Nesse momento, segundo a administradora, nasceu o Projeto Café da Colônia. Em junho de 2011, durante o módulo de “Ponto de Venda”, a família construiu as bases do Café da Colônia. “Depois disso veio a Festa da Colônia como encerramento do curso de Turismo Rural, sucesso absoluto. De lá pra cá, muito trabalho até adequar tudo, espaços, produtos, serviços”, explica.

O espaço oferece várias opções aos turistas. Com agendamento é servido, aos domingos, um bom “café com leite” com uma variedade de delícias caseiras como pães, roscas, bolos, bolachas, doces, geleias (jabuticaba, goiaba, laranja), manteiga, embutidos e queijos. Todos os quitutes são também colocados à venda na forma de cestas.

O lugar também oferece um espaço dedicado à gastronomia: fogão, panelas de barro, e colheres de pau ajudam o visitante a compartilhar receitas, degustar e aprender a fazer delícias – ou comemorar um momento especial com os amigos. O Café da Colônia também oferece um espaço para eventos, para cursos e para recepcionar grupos de turistas e  funciona  com reservas.

Outro serviço que Claudia implementou na propriedade é o Turismo Rural. Dividido em “Leite da Manhã” e “Leite da Tarde”, o passeio mostra aos visitantes o cotidiano da propriedade, desde o processo criatório do gado Jersey até a produção artesanal de seus produtos – doce de leite, queijos, geleias de frutas – incluindo uma vivência no processamento de alguma matéria-prima da estação. Além do Café, o passeio inclui uma trilha pelo pomar e pelo riacho visitando as criações. “Passear pelo pomar, ouvir histórias, aprender a fazer uma delícia, experimentar os queijos, doces, geleias, pães, conversar, resgatar e compartilhar conosco as memórias, costumes e histórias de nossos visitantes é a nossa proposta”, finaliza Claudia.

Os personagens

Claudia contou com o apoio de sua família para transformar seu sonho em algo real. “Dizem que por trás de todo bom projeto há uma boa família, e nada disto seria possível sem o know-how da família Baffi Pellicciota. Nosso pai foi um grande arquiteto e a pessoa mais humana que já conheci; minha mãe uma artista, mulher coragem, capaz de qualquer desafio; nós, filhos, herdamos muito de nossos antepassados”, explica.

O irmão de Claudia, Milton, é Gastrônomo e dono de restaurante em SP há 27 anos. A irmã Mirza, doutora em História, trabalha com turismo há mais de 15 anos e é – segundo a administradora, seu anjo da guarda. “Meu companheiro é Engenheiro Civil, dos bons, e cozinheiro de mão cheia… além deles temos a Cleuza. E vocês precisam provar o tempero dela”, convida.

Informações à Imprensa

RS COMUNICAÇÃO

Romualdo Silva – romualdo@rscomunicação.com.br

(17) 32245 8880 / 3021 0817